quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Amor platônico

Valdinei estava começando o ensino médio e não tinha muitas experiências com mulheres. E isso era completamente normal, afinal ele tinha pouco mais de 15 anos.
Há cerca de três anos, ele começou a se interessar por uma colega de classe. Ela era uma das mais bonitas do colégio e havia vários garotos interessados. Valdinei, entretanto, nunca demonstrou nenhum interesse direto por ela, pelo menos não na frente de outras pessoas. Mas, no seu íntimo, ele a desejava e a idealizava, mesmo quando a viu ficando com outros dois garotos nesse intervalo de tempo. Para ele, aqueles garotos não a mereciam.
Mas agora ele estava no ensino médio, em outro colégio, e tinha tudo para começar uma nova etapa em sua vida, sem amores platônicos.
No entanto, não demorou muito para ele voltar a se interessar por outra colega de aula, Catherine. Dessa vez, porém, ele não pretendia ficar apenas observando e pra isso ele precisava vencer a sua timidez.
Ele sentia que poderiam namorar e, como eram colegas de classe, ele não teve problemas para começar a interagir com ela e se aproximar do grupo de colegas mais chegados dela.
Logo, eles estavam se dando muito bem e ele a ajudava nos trabalhos e atividades da escola, fazendo quase tudo que ela pedia.
Depois de algum tempo, ele decidiu agir. Eles estavam a sós, numa lanchonete perto do colégio, e conversavam divertidamente, quando ele resolveu se declarar.
Eu te amo – ele disse, simplesmente.
Ela fez uma expressão de surpresa e colocou a mão no rosto.
Mas nós somos apenas amigos…
Ele não sabia o que fazer, estava desnorteado e muito envergonhado. Por sorte, ele não disse mais nada, pois a situação ficaria ainda mais embaraçosa.
Espero que isso não interfira na nossa amizade – ela disse depois de alguns segundos de um silêncio constrangedor e saiu.
Mas a amizade nunca mais seria a mesma. Ele ficou mal durante alguns dias e aquele ano não foi o melhor da sua vida, pois teve que aguentar algumas piadinhas de seus colegas de sala.
Tempos depois, com a vida amorosa bem resolvida, ao relembrar dessa situação, ele sorriu e percebeu que depois dessa “lição” ele se tornou um homem melhor.


Talvez o silêncio nunca me perdoe por ter dito que te amo”. Trecho da música Neurose, da banda Reação em Cadeia.

7 comentários:

  1. Ah, gente, que triste!
    Tadinho dele!
    </3
    Adorei o texto. Mesmo triste, muito real.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Diego,
    HAHA esse texto poderia facilmente encaixar na minha vida escolar...Eu fiz isso uma vez quando estava no Ginásio e o garoto morreu de rir da minha cara kkkkkkkkkkkkkkkk e depois ainda me zoou dizendo que eu ~amava~ ele pq era bonito.

    tenha um ótimo final de semana
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  3. Oi, Diego! Tudo bem? Meu Deus, isso sempre acontece comigo! Vou até rir pra não chorar rs Mas enfim... Adorei o texto! <3

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego.
    Deu uma saudade desse tempo agora hehe. Nem me fale em gostar e não ser correspondido. Mas acho que ele foi muito rápido com a frase, deveria ter falado outras coisas primeiro hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Olá Diego, tudo bem?
    Infelizmente a vida é assim né? Mas talvez ela não o merecia não é?!
    Abraços!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Diego, tudo bem?
    Poxa, ele foi um pouco precipitado hahaha! Eu também me assustaria de ouvir um "eu te amo" assim, do nada. Lembrei do primeiro episódio de How I Met Your Mother. :P
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  7. Oi Diego!
    Passando pra agradecer a visita e avisar que tem post no blog. =)
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.