sábado, 14 de outubro de 2017

Uma explicação

Há quanto tempo não ouço a sua voz? Já faz um tempo que não converso com você. Parece uma eternidade, mas só se passaram três dias.
Começo a pensar que você me esqueceu e que já não me quer mais. Você deve ter encontrado alguém bem melhor do que eu (como se pudesse existir pessoas melhores do que as outras).
Talvez eu esteja errado e você só esteja confusa e tenha sido apenas uma mais briga boba, mas é difícil pensar diferente neste momento.
Eu queria que isso não passasse de um mal-entendido e tudo voltasse ao normal, mas os meus pensamentos não conseguem se equilibrar quando você não está por perto e eles me dizem que é melhor não esperar por você e que tentar esquecer que formamos um belo casal é a melhor opção. Mas isto não será nada fácil.
O desejo é pegar o telefone e ligar pra você, mas não quero perder esse duelo pra que você não fique achando que está numa posição de vantagem. Talvez você também esteja esperando que eu ligue. É difícil saber.
Mas eu queria ouvir a sua voz, pelo menos para que você tentasse me explicar o que está acontecendo, afinal de contas eu mereço uma explicação. Fique tranquila: eu não sairei chorando feito um bobo antes de você ter me explicado tudo. E espero que eu não precise chorar porque não sou muito bom em dramaturgia.


Se você pretende sustentar opinião e discutir por discutir só pra ganhar a discussão eu lhe asseguro, pode crer que quando fala o coração às vezes é melhor perder do que ganhar”. Trecho da música Discussão, de Elis Regina.




sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Amor-próprio

Joel estava triste, sentia que seu mundo havia desabado, estava perdido, sem saber o que fazer. Tudo parecia confuso, sem sentido e nada ao seu redor parecia existir. Só havia um vazio e o seu pensamento que vagava e vagava sem parar e sempre parava no mesmo ponto. Por que ela me deixou?
Seu namoro de três anos havia terminado de forma repentina. Talvez ele não tenha se atentado aos sinais claros de desgaste ou até tenha notado, mas no momento ele não conseguia entender o que tinha acontecido.
Os primeiros dias foram especialmente difíceis e dolorosos. O tempo passava devagar e havia uma esperança de que tudo voltaria ao normal. Mas os dias passaram e a solidão continuava.
Ele tentava se manter ocupado a maior parte do tempo, trabalhando, estudando, jogando futebol e trabalhando mais ainda, até mesmo em casa. Seus amigos tentavam ajudá-lo, levando-o a lugares em que pudesse conhecer outras mulheres. Ele geralmente não ia, mas de vez em quando ele tinha que ir. Seus amigos eram insistentes e o levavam para baladas noturnas com mais bebedeira do que mulheres.
O tempo passou e ele percebeu que sua vida não estava indo bem. Ele continuava perdido e então decidiu que precisava mudar. Ele tinha que tirar algo de bom dessa situação e teve a humildade de admitir que estava mal e de procurar ajuda na internet em sites especializados e em livros de desenvolvimento pessoal.
Pouco tempo depois, ele se surpreendeu com a quantidade de coisas legais para fazer, projetos inacabados, adiados, que agora poderiam sair do papel, viagens interessantes, hobbies sensacionais e outras formas de entretenimento.
E ele percebeu que deveria se sentir bem sozinho, que não precisava de ninguém para ser feliz, que a vida vai muito além de um relacionamento amoroso.
Ele redescobriu o amor-próprio, a autoestima e a autoconfiança. Passou a ser mais divertido e a rir de si mesmo, e começou a ver o lado positivo de qualquer situação e a se recuperar mais rapidamente de emoções e sentimentos ruins.
Quando olhou para trás, relembrou do término do namoro e sorriu ao perceber que aquele foi o pior e o melhor evento de sua vida.


And now I know, I'm better sleeping on my own. [Agora eu sei, estou melhor dormindo sozinho]. You should go and love yourself. [Você deveria ir e amar a si mesma].” Trechos da música Love Yourself, do cantor Justin Bieber.