segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Aceitação (autoestima)

Rosana estava triste, sentia-se sozinha, solitária, queria ficar isolada para que ninguém mais lhe dissesse que ela estava gordinha, acima do peso, fofinha e outras palavras semelhantes.
Algumas vezes nem era necessário que as pessoas falassem, pois as expressões faciais e os olhares críticos já a atingiam como uma flecha envenenada. E algumas dessas expressões eram bem piores do que palavras.
Ela não tinha sossego, não era feliz, não se divertia, não apreciava a própria companhia, pois sempre achava algum defeito pra ficar se martirizando, mesmo quando ninguém dizia e nem demonstrava nada.
Sua irmã, que era magrinha, também não gostava do corpo dela, pois queria ter uma silhueta sarada, bem definida.
Rosana viu entrevistas de mulheres lindas, capas de revistas, modelos, atrizes, cantoras, que também não aceitavam sua imagem no espelho. Elas sempre tinham algum detalhe que as deixavam insatisfeitas e algumas delas já realizaram vários tratamentos e cirurgias estéticas.
Rosana não estava tão acima do peso ideal assim e começou a se fazer algumas perguntas. O que é peso ideal? Quem definiu isso? Quem pode dizer qual é meu peso ideal? E então ela gritou um palavrão bem alto e foi algo extremamente libertador.
Ela, então, caiu na real. De repente, ela percebeu que devia se aceitar, que devia gostar de si mesma, que pequenos defeitos são comuns e é preciso conviver com eles. E isso não significa que ela não devia se cuidar, fazer exercícios e diminuir a comida não tão saudável assim. Ela faria isso, mas sem pressão, sem sacrifícios.
Daqui a pouco, aquelas pessoas que a criticavam vão falar que ela é persistente, que teve força de vontade pra diminuir seu peso, mas não era por causa de alguns elogios que ela estava fazendo isso.
Ela ia fazer isso por ela mesmo e não pelos outros. Elas poderiam continuar dizendo que ela estava gordinha, mas agora ela seria a gordinha mais feliz do mundo.

**************************************


Je n'ai qu'une philosophie être acceptée comme je suis. [Apenas tenho uma filosofia ser aceita como sou].” “I'm no beauty queen. I'm just beautiful me. [Eu não sou a rainha da beleza. Eu apenas sou bonita como sou].” Trechos das músicas Ma Philosophie e Who Says, das cantoras Amel Bent e Selena Gomez.


6 comentários:

  1. Texto super válido!
    A gente precisa se amar, aceitar e criar os próprios padrões de beleza.
    :D

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  2. Amor próprio é tudo de bom! E se for mudar, que seja por vontade própria, né? Gostei do texto, mega válido, devemos falar muuuito sobre autoaceitação.

    Um beijão,
    GABS | likegabs.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Diego, tudo bem?
    Adorei a reflexão e o desfecho da protagonista. <3
    Que bom que ela conseguiu se amar! O amor próprio é o sentimento mais importante, só temos esse corpo uma vez, e ele é muito mais do que uma casca bonita.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego.
    Você contou minha história ai hehe. Cheguei a ter bulimia porque achava meu corpo horrível se comparado as minhas amigas. Mas então um dia percebi que a beleza é diferente para cada um e que o padrão estabelecido pode mudar de uma hora para outra e o que é bonito hoje amanhã pode não ser mais. Por isso hoje controlo meus exames de sangue e de resto sou feliz do jeito que sou.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Hey Diego! Tudo bem?
    Geralmente esse processo de aceitação por parte das mulheres demora um bocado pra acontecer, o processo é lento.
    Adorei o seu texto, muito incentivador.
    Obrigada por comentar lá no blog.
    Volte sempre!

    ~ Blog Misto Quente
    ~ Siga no Instagram
    ~ Curta no Facebook

    ResponderExcluir
  6. Queria aumentar minha autoestima como Rosana, mas, é complicado que isso aconteça ;-;

    Beijos! Gravado na Memória

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.