quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Morte precoce

Jadiel e seu amigo Jorge combinaram de beber no final de semana. E Jorge chamou mais dois conhecidos dele. 

Eles foram para um bar no centro da cidade e começaram a beber e a conversar, como muitas outras pessoas fazem nos fins de semana e até em dias de trabalho. 

Até aí, nada de anormal. Tudo estava tranqüilo.

Eles estavam sentados na calçada e a todo momento passavam carros e motos pela rua. E uma dessas motos parou em frente a eles. Dois sujeitos estavam na moto e ambos usavam capacetes com viseiras pretas. 

O sujeito que estava na garupa da moto desceu e sacou uma arma. Atirou três vezes e acertou os dois conhecidos de Jorge. Acertou também o peito de Jadiel, que já caiu morto.

Os dois sujeitos saíram dali rapidamente, quase sem serem notados. E a placa da moto? Alguém anotou? Ninguém viu placa alguma, provavelmente porque havia sido retirada.

Jorge ficou desesperado. Ele sabia que os dois sujeitos tinham vindo matá-lo. Sabia o motivo: havia transado com uma mulher casada e o marido, sabendo do acontecido, havia prometido vingança. 

Jadiel não havia feito nada de errado. Estava apenas se distraindo depois de uma semana exaustiva de trabalho. 

Era jovem. Iria fazer vinte e um anos de idade em poucos dias.

Mas não vai mais comemorar seus aniversários porque morreu de forma precoce e banal.

Como disse o cantor, “os bons morrem jovens”. 


“A violência é tão fascinante e nossas vidas são tão normais.” Baader-Meinhof Blues – Legião Urbana.

Um comentário:

  1. Diego, obrigada pela tua presença e elogios lá no blog.
    Parabéns também pelos teus escritos, to te acompanhando aqui.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.