quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Um pouco de violência e descaso

Renato e Caterine estavam namorando há pouco mais de cinco meses e ele então a convidou para morarem juntos na casa dele e ela aceitou imediatamente.
O começo dessa convivência foi perfeito e eles sentiam que seriam felizes para sempre.
Mas, depois de dois meses, Renato começou a demonstrar sua verdadeira personalidade. O seu ciúme exagerado e desmotivado passou a afetar o cotidiano do casal, tornando algo saudável numa convivência impossível.
Logo surgiram as primeiras brigas e agressões verbais, e ela ainda tentou compreendê-lo, pois talvez tivesse dado algum motivo pro ciúme dele. Mas essa desculpa que ela havia colocado em sua mente logo se desfez.
Ela passou a usar roupas mais longas e folgadas e a ficar em casa quase o tempo todo. Mesmo assim, ele desconfiava que ela estava usando o celular para ter conversas amorosas com outro homem. E uma conferida diária no celular dela não adiantou para diminuir seu ciúme e sua desconfiança.
Ela não podia mais sequer conversar com amigos, pois ele não aceitava amizade entre homens e mulheres.
E então veio o primeiro tapa na cara e nesse momento ela pensou em voltar para a casa de seus pais, mas aí ele pediu desculpas e ela decidiu ficar.
Dias depois, os tapas começaram a ser frequentes e mais fortes, a ponto de deixá-la com hematomas pelo corpo.
Denunciou a situação na delegacia, mas o policial pediu que ela conversasse com Renato e voltasse depois, pois o escrivão estava de férias e não havia ninguém para fazer o boletim de ocorrência.
A família dela, que morava numa cidade distante, estava preocupada e também tentou comunicar o caso à polícia, mas foi informada que nada poderia ser feito por ali. Só Caterine poderia fazer o boletim de ocorrência.
Ela se sentia acuada, sem saber a quem recorrer mais, pois voltou outra vez da delegacia sem conseguir fazer o BO, dessa vez com a alegação de que brigas são comuns numa relação entre homem e mulher.
Por fim, ela procurou o Fórum e foi informada que havia uma Vara de Violência Doméstica. Lá ela encontrou uma juíza que se comoveu com a sua situação e decidiu ajudar. Com menos de dez minutos, a juíza fez algumas ligações e disse que Renato ia ser preso em flagrante, o que realmente aconteceu horas depois.
A magistrada deu alguns conselhos a Caterine, que os ouviu atentamente e decidiu voltar para sua terra natal, a cidade de seus pais, pois a pena do crime cometido por Renato era pequena e ele logo seria solto. Ela sabia que ele não a deixaria em paz tão facilmente e por isso foi buscar abrigo e proteção de seus pais.
Renato, por sua vez, quando interrogado pelo delegado, disse que acreditava ter o direito de bater na sua mulher porque tinha ouvido falar que a mulher devia ser submissa ao marido...
Ele teve que prestar serviços à comunidade e pagar algumas cestas básicas. Depois de algum tempo, ele chegou a admitir pra si mesmo que sua conduta não era correta e pediu desculpas a Caterine.
Quatro meses depois, Caterine estava numa confraternização com sua família e ficou pensando em como teve sorte de se livrar daquela situação. Ficou imaginando uma mulher que não tinha família, nem parentes ou amigos que pudessem ajudá-la. De repente, ela voltou a si e não quis pensar nisso nunca mais.


E agora ele bate, bate nela e ela chora querendo voltar pros braços de sua mãe. E agora eu tô sem saída e, se eu for embora, ele vai acabar com a minha vida” Trecho da música Ele bate nela da dupla Simone e Simaria.

7 comentários:

  1. Que texto hein, olha parabéns!
    Gostei bastante do blog, voltarei mais vezes.

    https://petalasdelicadas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Diego, tudo bem?
    Bah, que bad.
    Chega a doer só de pensar em quantas mulheres passam por isso diariamente e não tem apoio algum, inclusive da nossa falha justiça. :(
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Oi Diego,
    Nossa que texto pesado, mas ótimo.
    Me lembrou até a novela ontem...
    Essa música tb :(

    tenha uma ótima terça =D
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego.
    Parabéns por mais esse texto e pelo tema abordado. Cinco meses é muito pouco para se conhecer alguém na minha opinião. E começou com ciumes besta, eu já estou fora. Odeio ciúmes. Mas infelizmente essa é uma situação muito comum em muitas casas. Ainda bem que ela conseguiu passar por isso viva.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi Diego, tudo bem?
    Passando pra agradecer o comentário e avisar que tem post novo. =)
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  6. Oie Diego tudo bem? O tema abordada da vez é muito complicado, e infelizmente está impregnado na nossa sociedade, muitos filmes e livros retratam isso, tentando nos mostra a realidade muitas vezes camuflada do nosso dia a dia!
    bjss, venha ler o terceiro artigo do Projeto Poetas Urbanos, tenho certeza que você vai curtir conhecer o Kelvin! http://resenhasteen.blogspot.com.br/2016/08/projeto-poetas-urbanos-kelvin-korzempa.html

    ResponderExcluir
  7. Oi, Diego! Tudo bem? É muito triste saber que muitas mulheres passam por isso, né? Mas enfim, adorei o texto! :)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.