quinta-feira, 15 de abril de 2010

Pré-conceito

Clara havia acabado de sair do banco. Tinha passado exatos sessenta e cinco minutos pra pagar uma conta atrasada, que só poderia pagar ali. Ela ainda não entendia por que tinha que esperar tanto tempo pra pagar uma conta, afinal ela era cliente e o credor é que deveria estar correndo atrás do dinheiro, facilitar a forma e o tempo do pagamento.
Mas ela já até tinha esquecido isso, quando entrou numa loja de roupas, querendo comprar o vestido que ela sonhava havia alguns dias. Nesse momento, apareceu uma moça, uma vendedora cheia de sorrisos.
Clara foi direto ao vestido. Ela já sabia o preço, mas perguntou mesmo assim.
- Trezentos e cinqüenta reais – disse a vendedora, sem dar muito crédito à Clara, talvez por que Clara não estivesse bem vestida, ou por que Clara fosse negra ou simplesmente por que aquele vestido era o mais caro da loja.
- Qual é o desconto? – perguntou Clara, sabendo que não teria nenhum desconto.
- Esse é o preço para pagamento à vista ou no cartão – disse a vendedora, já olhando para a madame que chegava toda arrumadinha, olhando as primeiras peças da loja. – Enquanto você escolhe, vou atender aquela mulher – disse, demonstrando uma certa insatisfação por atender Clara, como se soubesse que Clara não poderia comprar nada.
- Espere. Eu já escolhi. Eu quero esse vestido. Onde posso experimentar?
A vendedora, meio surpresa, indicou o vestuário e saiu rapidamente para auxiliar a madame. A madame olhava de tudo e ia selecionando vários itens para experimentar. Experimentou vários e, adivinhe, não comprou nenhum.
Então, Clara, que demorou no vestuário porque estava visualizando o vestido em todas as posições possíveis, saiu do vestuário e disse para a vendedora que o vestido estava perfeito. Queria levá-lo. Ia pagar com o cartão de crédito.
A vendedora demorou para acreditar quando percebeu que o cartão tinha saldo suficiente. Olhou novamente para Clara, surpresa e desnorteada, e lhe entregou o vestido.
Clara saiu da loja quase chorando. Só não chorou por que já havia passado por situações piores.
A vendedora sentiu-se estranhamente vazia, cheia de preconceitos. Teve vontade de chorar.

"Tem gente que vive chorando de barriga cheia". Maneiras - O Rappa.

Obs: Repetição de uma postagem do dia 11/11/2009.

9 comentários:

  1. que horror o preconceito, né? :s

    ResponderExcluir
  2. que tenso :T
    pre-conceito é uma merda que existe na sociedade.

    ResponderExcluir
  3. Verdade, pessoas reclamam, arrumam motivo para brigas diversas, só pensam em si mesmas..
    reclamam de mendigos, desigualdades mas não estende a mão pra nada, só se preocupa com o salário no final do mês e com a comida que porá à mesa.
    infelizmente nós mesmo cativamos nosso futuro, cheio de maldade e sujeira ..
    mas ainda há jeito, tempo e forma.. é só saber o caminho certo a ser seguido !

    ResponderExcluir
  4. odeio preconceito, sério mesmo é uma coisa estupida! credo :s

    ResponderExcluir
  5. Tenhamos o conceito de amar, de ser feliz, de viver em paz e bem com o nosso semelhante e isso importa, cada um de nós somos assim diferentes e (im)perfeitos, belos depende de cada olhar!

    Um beijo!
    Juliana

    ResponderExcluir
  6. Isso acontece constantemente na sociedade em que vivemos... É triste, sim, mas é bem real. Preconceitos são pré conceitos idiotas.

    ResponderExcluir
  7. isso acontece muitas vezes,...

    ResponderExcluir
  8. Preconceito é de gente sem conhecimento fingindo ser sábia. Mas a verdade é que todo mundo tem um tipo de pré conceito dentro de sí. É triste mas é real.

    Beijos.

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.