terça-feira, 12 de julho de 2011

De você

De você

Hoje não quero falar de você.
Estou tentando te esquecer.
E por isso devo escrever
sobre o futuro, o envelhecer

ou sobre a violência constante,
a impunidade incessante,
a morte tão temida,
a dor de uma despedida.

Ou sobre a política nacional,
tudo sempre tão igual,
um partido conservador e outro liberal,
disputando um cargo federal

e as propinas e vantagens indevidas
e as secretárias cada vez mais atrevidas.
Não! Não quero falar dessa roubalheira.
Prefiro escrever sobre uma ratoeira.

E eu quase tinha esquecido:
o terrorismo, sem razão aparente,
transforma sonhos em concreto destruído,
vidas num mar de sangue quente.

Sobre muitas coisas posso escrever,
mas ainda não esqueci de você.


“Não me diga que o mundo anda mal, hoje eu nem quero ler o jornal. Só quero escrever uma canção de amor pra você.” Uma canção de amor pra você – Catedral.









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.