segunda-feira, 29 de junho de 2015

Na praça

As coisas não estavam indo bem na vida de Plínio. Ele estava com dificuldades na faculdade e no seu trabalho, sem falar na sua vida amorosa, que praticamente deixou de existir há algum tempo.
Ele estava dando um tempo; não queria mais se envolver com ninguém desde que foi rejeitado um ano atrás pela mulher que ele considerava o amor de sua vida.
E, num desses dias comuns, que nada tem de especial, Plínio foi pra praça perto de sua casa, refletir e pegar um ar fresco. Ele só não sabia que mais uma pessoa tinha ido lá pelo mesmo motivo.
Ela estava sentada no banco ao lado, tão pensativa, que o fez imaginar o que a afligia tanto. Mas ele não queria conversar; já tinha até perdido a prática. Mas não esperava que ela fosse se sentar ao lado dele e começar a falar.
Acho que você não se lembra de mim, mas nós somos quase vizinhos. Já te vi algumas vezes na rua e tinha vontade de falar com você, mas nunca dava certo – disse ela, sem rodeios.
Ele, então, disse como se chamava e perguntou o nome dela. Ela disse que se chamava Laura, tinha 19 anos e estava muito triste, apesar de ele não ter perguntado. Ela falou que se sentia perdida, teria que fazer o curso que seus pais escolheram para ela, mesmo sem gostar do ramo. E não era só isso: seu ex-namorado, paranoico, não a deixava em paz, vivia sendo perseguida por ele, que já havia até ameaçado alguns amigos dela.
Ele ouviu tudo paciente e atenciosamente. Foi aí que ela perguntou por que ele estava tão preocupado e ele inicialmente não quis se abrir, mas aos poucos foi ficando aliviado depois de contar todos os seus problemas e eram muitos.
Já no final da tarde, ela disse que tinha que ir embora, mas antes, meio sem jeito, falou que desejava saber se ele queria sair com ela.
Apesar de você ter um namorado paranoico, eu gostaria muito de sair com você – disse ele, sem pestanejar.
Ela sorriu e o abraçou. Ele aproveitou o momento e a beijou, sentindo que ainda se beijariam muitas outras vezes. Ficaram ali mais uma pouco, namorando.
Dois dias depois saíram e eles sentiam que estavam na mesma situação, que estavam cada vez mais conectados. Saíram mais algumas vezes naquele mês e ele, que no começo ficou um pouco desconfiado, finalmente a pediu em namoro e ela aceitou prontamente, pois gostou dele desde o começo.


Tudo pode mudar, tudo pode estar onde menos se espera”. Trecho da música Onde Menos Se Espera, da banda Engenheiros do Hawaii.


8 comentários:

  1. oooi, tudo bem?
    Que conto legal. Uma história bem bonita!

    PARTICIPE DA PROMOÇÃO "1 ANO DO BLOG"!

    ResponderExcluir
  2. Não imagino algo assim aconetcendo na vida real. Todos os dias observo as pessoas nas ruas e elas nem se dão bom dia, imagina ter uma conversa mais longa..
    Mas vai ver isso é só aqui mesmo.. haha
    De qualquer forma gosto dos seus contos, você tem facilidade em criar estórias assim.

    Beijo
    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
  3. Oi Diego,
    O amor pode estar onde se espera pra quem acredita nele, apesar das decepções :D

    Adorei o conto.

    bjs e tenha uma ótima quinta
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  4. Me identifiquei com o Plínio, tirando a parte que ele encontra o amor e é feliz SHAHUSUH Adorei o conto.
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir
  5. Me sinto num momento meio parecido com Plínio, imagino se uma coisa dessa não pode acontecer na vida real! Gostei muito do conto! Beijos
    Paula Juliana - Overdose Literária
    http://overdoselite.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego!
    Assim de pronto!! Conectados mesmo!
    Conheço pessoas que namoraram anos e não tiverem a química suficiente para dar um segundo passo. No entanto, desfeita a história, em menos de 3 meses a garota namorou, noivou e casou. Teve quem gorou o casamento dizendo que não ia dar certo (ex-namorado). O casal está jundo fazem 8 anos. Enfim, amor é mesmo loteria e saber investir para não ir à falência.
    Beijus,

    ResponderExcluir
  7. Oi Diego!
    Pra ser sincera, achei um pouco inverossímil (pelo menos na minha cabeça) uma aproximação tão rápida, mas achei bonito mesmo assim. Amor nunca é demais, fico feliz pelos personagens! =D
    Abraços,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  8. As vezes, nem sempre e nem constantemente, tenho vontade que algo assim acontecesse comigo!

    Pandora
    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.