terça-feira, 8 de agosto de 2017

Bala perdida

Rafaela estava muito feliz. Seu dia tinha começado de forma perfeita, pois seu maior desejo tinha se realizado. Rogério, seu colega de classe, tinha finalmente criado coragem de se declarar para ela e eles tinham se beijado pela primeira vez.
Eles faziam o 2º período do curso de Odontologia e ela estava esperando por isso desde o semestre anterior, mas ele sempre se mostrava tímido demais para tentar algo além da amizade que havia se formado entre eles.
Para completar a felicidade dela, sua nota na prova da disciplina Histologia Bucal tinha sido a mais alta.
Na saída da faculdade, contou tudo nos mínimos detalhes para as suas colegas e elas ficaram muito contentes e sorridentes.
Depois do bate papo, ela e sua melhor amiga, Rosana, resolveram ir para o ponto de ônibus andando como geralmente faziam.
De repente, Rafaela gritou e caiu, e Rosana ficou assustada, sem saber o que tinha acontecido, mas logo viu sangue jorrando no chão e ouviu o barulho de tiros sendo disparados. Rosana se abaixou, examinou o corpo da amiga e gritou por ajuda.
Vai ficar tudo bem – disse ela, tentando acalmar sua amiga baleada.
Os tiros continuavam, mas Rosana não conseguia identificar de onde eles vinham, suspeitando da favela no morro ao lado da avenida em que estavam. Apesar do risco de também serem alvejadas, algumas pessoas vieram ajudar Rafaela e chamaram uma ambulância, que chegou em menos de quatro minutos.
Por sorte, o tiro acertou a coxa de Rafaela a cerca de cinco centímetros da artéria femoral, local que traria maior perigo de morte.
Mais tarde no hospital, com o risco de morte afastado, ela viu Rogério sentado ao seu lado e sorriu, feliz. No final, tinha sido um dia de felicidade.
Nada vai estragar o meu dia, ela pensou e agradeceu por sua vida.


Porque eu tô indo pro trabalho com medo da morte. Nessas horas eu queria ter um carro-forte pra poder sair de casa de cabeça erguida e não ser encontrado por uma bala perdida.” Trecho da música Bala Perdida, do cantor Gabriel, o Pensador.


10 comentários:

  1. Wonderful post, love it! :)
    Maybe follow for follow? :)

    veronicalucy.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Diego,
    Nossa a música se encaixou tão bem com o texto...é um momento parecido com aqui onde moro. Mesmo sentimento =/

    tenha uma ótima quinta.
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  3. Oi, Diego! Tudo bem? Bala perdida é uma causa de morte bastante comum aqui no nosso país, o que é uma pena. Mas adorei o texto! Ficou ótimo! :)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Diego.
    Infelizmente essa é a realidade de muita gente. Sai de casa sem saber se volta vivo ou nem sai de casa e as vezes é atingido. Ainda bem que essa história pelo menos terminou bem. Parabéns por mais esse ótimo texto.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Já estava imaginando que a Rafaela havia falecido e o crush ia ficar sozinho, mesmo com essa fatalidade, houve um final feliz.
    Infelizmente, essa realidade está cada dia mais presente na vida dos cidadãos desse país, uma guerra amena, que parece não ter fim.
    Beijos, Tau
    versos-de-inverno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego!
    Esse é um risco que corremos todos os dias. A sensação é de que nenhum lugar é seguro. :/
    Adorei o texto.
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  7. Que bom que no texto tudo acabou "bem", mas poxa, é triste demais saber que essa história já aconteceu (e ainda vai acontecer) milhares de vezes aqui na vida real, né?
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  8. Oi Diego, tudo bem?
    Que susto! Achei que ela morreria. :(
    Mas infelizmente não faltam casos reais trágicos sobre bala perdida no Brasil.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  9. Olá Diego, tudo bem?
    Lindo texto! Admito que esperei um final triste, mas ainda bem que deu tudo certo. Infelizmente, na vida real, as coisas são bem diferentes e o pior é que não podemos fazer nada. Não conhecia essa música, mas o trecho que você separou é o nosso pensamento de todo dia.
    Abraços!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.