quinta-feira, 30 de maio de 2019

Gratidão

Joana era advogada e teve que trabalhar num caso criminal até as primeiras horas do outro dia. Estava se sentindo exausta, quando finalmente encerrou suas atividades e fechou a porta do escritório. Nesse momento, veio em seu pensamento que ela não deveria trabalhar tanto assim, que essa não era a vida que ela tanto quis ao estudar o curso de Direito e que, mesmo trabalhando tanto, o resultado financeiro não era bom o bastante.
Mas, de repente, ela viu um catador de lixo, um senhor já idoso, de cabelos brancos, sorrindo e conversando alegremente com dois garis, que também estavam trabalhando naquele horário.
O senhor parecia cansado, estava naturalmente sujo após várias horas catando lixo e caminhava devagar, arrastando seus pés descalços, acostumados a percorrer longas distâncias. Ele usava roupas modestas e que estavam rasgadas em diversos lugares, mas parecia contente com a quantidade de tralhas que tinha juntado em seu carrinho.
Do outro lado da avenida, um morador de rua dormia ao relento, deitado em uma “cama” de papelão e enrolado com um emaranhado de panos, que não suportaria um frio intenso.
Joana se sentiu mal, pois instantes atrás estava resmungando e reclamando de seu trabalho, sua vida, mas agora isso parecia tão pequeno diante das dificuldades daquele senhor, que deveria estar com seus netos curtindo sua aposentadoria, e diante daquele morador de rua, que parecia tão indefeso naquele lugar, abandonado pela sociedade e pelo poder público.
Ficou pensando também nas adversidades daqueles dois garis, que tinham um trabalho digno, mas provavelmente não queriam trabalhar naquele horário, e estavam alegres, pois era aquele trabalho que levava o sustento para suas famílias.
Ela se sentiu tão vazia e ficou pensando na vida, no quanto deveria ser grata, pois sua vida tinha mudado tanto, desde que saiu da sua pequenina cidade natal, mesmo diante das dificuldades de seus pais para dar uma criação que permitisse que ela fizesse uma faculdade, algo que eles não puderam fazer.
Pegou sua carteira e viu que tinha pouco dinheiro ali, mas aquele pouco seria muito nas mãos daquele morador de rua e ela colocou a quantia por baixo do papelão que ele dormia e se sentiu melhor.
Foi para casa ainda pensativa, mas com a consciência tranquila por ter feito o que podia ser feito naquele momento. Passaria a ser mais grata mesmo nos momentos ruins e a valorizar mais as pessoas importantes de sua vida.

**********************************


Mas digo sinceramente na vida a coisa mais feia é gente que vive chorando de barriga cheia”. Trecho da música Maneiras, de Zeca Pagodinho.


7 comentários:

  1. Precisamos sempre exercer o sentimento de gratidão.
    <3
    Faz bem para a alma.

    Beijoooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Diego.
    A gente reclama de tudo até ter uma banho de realidade. Eu nunca mais desperdicei comida desde que vi uma mulher pegando comida do lixo para ela e seu filho. Acho que tem horas a gente precisa de algo assim para ser mais gratos.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Diego, tudo bem?
    Queria que essa situação não fosse tão comum, mas infelizmente é. E cada vez mais pessoas estão sofrendo com desemprego e desigualdade social. :(
    É nessa hora que vemos o quão privilegiados somos...
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  5. A gente reclama demais, né? Volta e meia me pego reclamando também e me coloco na mesma situação da moça do texto: vejo o quanto sou privilegiada. É importante termos esse baque de realidade, não só pra nos sentirmos gratos, mas também pra pegarmos os nossos privilégios e ajudar, com eles, as pessoas que não compartilham da mesma realidade que nós. Adorei o texto!

    Um beijão,
    Gabs | likegabs.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego! Tudo bem?
    Que história mais legal!
    A gente, vez o outra reclama sem razão, né?
    Tanta gente que vive em contextos tão difíceis, conseguem viver leve e gratos.
    Acho que a boa vida é um estado de espírito.


    Borboletra

    ResponderExcluir
  7. As vezes a gente precisa olhar em volta para levar uns tapas na cara da vida
    Nos acostumamos rápido com o conforto e ficamos querendo cada vez mais e mais
    Lindo texto ♡
    www.blogsereiando.com

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.