terça-feira, 13 de outubro de 2009

Outro segredo

A madrugada passava devagar. Vanessa não tinha o que fazer; não tinha nem conseguido dormir depois do que se passou na noite anterior. Ela só conseguia pensar em Ricardo. Como ela tinha chegado nesse ponto? Não conseguia se perdoar pelo que tinha feito consigo mesma e também com o seu namorado (na verdade, ex-namorado).
Ele havia descoberto o segredo dela. Mas como ele tinha descoberto?, ela se perguntava. Ela fazia tudo tão escondido, tão calculado. Como dizem, parece que a mentira tem mesmo perna curta.
Já havia quase um ano que ela tinha um amante e ele nem sequer desconfiava. Tudo parecia tão perfeito. Pra ela, é claro. E ele também achava tudo muito bom, até ontem.
Ela nem sabe, mas ele descobriu a traição de uma forma tão simples. Ela estava “dando muita bandeira” ultimamente e ele estava mais do que desconfiado. Bastou esperar um pouco perto da casa dela (que era um pouco afastada; não tinha vizinhos), depois que ele supostamente tinha saído de lá. Não passaram nem vinte minutos e um garoto chegou num carrão. Desceu, tocou a campainha e ela logo apareceu, toda arrumada  e sorridente. Deu um beijo nele e entrou no carro. Isso tinha acontecido há dois dias.
No outro dia, Ricardo não apareceu na hora em que costumava chegar. Ela então ficou angustiada. Esperou alguns minutos e nada. Ligou para o celular dele. Fora de área ou desligado. Ligou na casa dele. Ninguém atendeu.
Depois de alguns minutos, ele ligou.
- Eu já sei de tudo. Acabou – a voz dele parecia muito triste.
- Como assim? Não estou entendendo – ela ainda tentava mudar a situação.
- Você vai se arrepender para sempre.
Ela tentou falar algo, mas ele já tinha desligado.
Ela não tinha conseguido dormir. Logo que amanheceu, foi para a casa de Ricardo. Chegando lá, viu uma ambulância. Ela não estava gostando do que estava acontecendo. Um corpo estava sendo levado para a ambulância. A mãe de Ricardo olhou para ela com uma expressão de dor e depois de desprezo. Todos a olhavam (olhares furiosos) e alguém gritou “piranha”.
Ricardo havia cortado os pulsos. Estava morto. Ao lado de seu corpo, havia deixado uma carta, contando tudo.
Vanessa saiu dali correndo, completamente desesperada.

Não vou mudar em vão. Pra que mentir, se os dias vêm e vão e não me vejo aqui?”. Trecho de “O amanhã”, da banda Detonaultas.

5 comentários:

  1. Muito profundo...

    Eu li num post passado que vc vai embora ne? Boa sorte nesse novo desafio, e se vc quer mesmo ficar tomara que consiga o que deseja no resultado do TJ, e ah.. eu tb tou esperando ansiosamente esse resultado, vc tem ideia de qd sai? bj :*

    ResponderExcluir
  2. nossa.
    eu acho que o ricardo era emo /oi?!

    beeijas di ;*

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu blog...viu. Vou te seguir...e voltarei outras vezes.

    Convido você para conhecer o meu,

    abraços de luz e paz.


    Hugo
    Nosso-Cotidiano

    ResponderExcluir
  4. NOSSA fazia tempo que eu não lia seus textos ..
    muito bom esse e as poesias dos posts passados :D
    vai ter continuação essa historia ai ? aheoiuaheiae

    tava sentindo falta já de ler, falta de tempo (n)

    bj bj :*

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.